Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezoito e quarenta

3 LIVROS QUE MUDARAM A MINHA VIDA

29.06.18

DSC05539.jpgDurante muitos anos eu devorei livros. Eu era aquela que despachava todas as fichas de leitura de Português, do ano inteiro, logo no primeiro periodo. E lia tanto que além das minhas fichas de leitura fazia outra tantas para os meus colegas que não gostavam tanto de ler. 

 

Depois a faculdade chegou e as leituras que comecei a fazer eram muitas por obrigação, para decorar e depois debitar numa frequencia de escolha múltipla. É verdade, Psicologia, é muito isto. E apesar de ter gostado muito do meu curso e de muitas leituras que fiz, isso fez com que me afastasse da minha paixão da leitura. Afinal, quando chegavam as férias, eu estava fartinha de ler. 

 

Agora já sem a faculdade e sem grandes leituras obrigatórias, quero muito voltar aos meus livros. E foi com este pensamento e no sentido de escolher as minhas próximas leituras, que dei por mim a pensar nos 3 livros que mudaram a minha vida.

DSC05541.jpg

1. O diário de Anne Frank 

Quem nunca ouvi falar de Anne Frank e do seu Diário? Eu li-o quando tinha 11 ou 12 anos e nunca esqueci muitos dos pormenores. Lembro-me que evitei sempre ler antes de dormir, porque se não era certo que não ia descansar bem. É um livro muito real, cru e duro. Foi também com o Diário de Anne Frank que valorizei muitas das coisas que tinha naquela altura.

 

2. Não te deixeirei morrer David Croquett, Miguel Sousa Tavares

Li-o em duas noites nas minhas férias de Verão de 2003. É uma coletânia de 38 textos de Miguel Sousa Tavares. Foi o livro que mais sublinhei, mais rasbiquei e que mais li. Sim, porque depois de o ter devorar em duas noites, voltei a ele muitas e muitas vezes. É o livro que me faz encontrar sempre um texto que reflecte aquilo que estou a sentir, o que estou a viver ou a observar. 

 

3. O Ensaio sobre a Cegueira, José Saramago 

Foi o segundo livro de Saramago que li e o primeiro dele que eu realmente gostei, já que antes tinha odiado o Memorial do Convento. Li este livro na viagem que fiz ao Egipto em 2009 e foi-me emprestado por uma senhora, que tal como eu na altura, devorava livros. O Ensaio sobre a Cegueira, é um livro maravilhoso com um premissa tão simples e tão cruel como ponto de partida: E se todas as pessoas do mundo ficassem cegas? Há uma boa adaptação ao cinema deste livre (o que é raro) mas ainda assim gostei muito mais do livro. 

 

E vocês, querem-me contar quais são os livros que mais mudaram a vossa vida? 

OS MEUS TRUQUES NA HORA DE DORMIR

26.06.18

DSC05533.jpg

Nunca tive muitos problemas de sono. Adoro dormir, conto pelos dedos de uma mão as insónias que tive e em geral consigo descansar muito bem. 

No entanto, reconheço que quando cumpro algumas estratégias de relaxamento antes de ir para a cama, o meu sono é mais tranquilo e de manhã acordo com muito mais energia. Acho até que são nessas noites que os meus sonhos se tornam mais autênticos e onde consigo retirar coisas muito valiosas (sim, eu dou importância aquilo que sonho). 

Deixo-vos, por isso, algumas estratégias que uso e que considero me fazem descansar melhor.

 

1 - Luzes baixas Para mim é essencial. Além de dormir no escuro profundo, preciso que pelo menos 1 ou 2 horas antes de ir para a cama, toda a casa se prepare para descansar. Dois candeeiros de pé é o suficente para iluminar a nossa casa depois de jantarmos e de termos finalizado as tarefas diárias. 

 

2 - Tomar um duche Preciso muito do duche assim que acordo, além de me despertar, gosto de sair com o cabelo acabo de lavar (sim eu sei que não devia lava-lo todos os dias mas não consigo). No entanto há noite, com o cabelo apanhado, com água morna e com um espuma de duche (de preferencia da Rituals) sinto que o cansaço ganha e o corpo se prepara melhor para uma noite de sono. 

 

3 - Passar um creme ou oléo relaxante no corpo Ao contrario do duche que é essencial para mim na hora de acordar, os cremes ou oleos corporais só entram na minha rotina a noite. De manhã, eu dou sempre mais 5 ou 10 minutos a cama, e graças a isso depois todas as outras rotinas são feitas na velocidade máxima. Muitas vezes nem há tempo para cremes de cara quanto mais para o corpo. A noite posso escolher com calma o creme ou oleo que quero e acabo por criar assim uma rotina de cuidado com a minha pele. Como sei que só os uso a noite sempre que compro um creme ou oleo corporal opto por fragrancias calmantes. 

 

4 - Meditar Regra geral medito sem aplicações, sem músicas e sobre tudo sem complicações. Acho que medito desde sempre, acredito que é uma pratica muito inata em cada um de nós e que só não se torna mais fácil porque fazemos muito pouco. Em dias mais agitados e dificeis posso ter que recorrer a um incenso ou uma meditação guiada, mas sou franca, mais de 90% dos meus dias a meditação é de mim e comigo mesma. 

 

5 - Vestir um pijama lavado Esta é uma estratégia que uso quando me sinto realmente stressada ou cansada e prevejo uma noite nada descansada. No limite não só troco de pijama mas também de roupa de cama. É como se tivesse a trocar um bocadinho a energia do meu espaço de descanso. Não sei se resultará com todas as pessoas, mas comigo é realmente uma estratégia muito eficaz para me acalmar. 

 

E voces, na hora de dormir tem algumas estratégias para descansarem melhor? Partilhem tudo comigo! 

O MEU VESTIDO DE NOIVA

19.06.18

20150906-197.jpgO meu vestido de noiva, o vestido que antes de ser meu foi dela, da minha mãe. 

Não procurei mais nenhum, não experimentei mais nenhum, não quis mais nenhum.

 

Nunca pensei casar com o vestido da minha mãe. Mas uns meses antes de casar, num dia de arrumações, encontrei-o no fundo armário. E foi nesse dia que olhei para ele com olhos de ver. A minha mãe estava ao pé de mim, e eu comentei com ela que o achava mais bonito ao vivo do que nas fotografias. Acrescentei ainda que aquelas mangas em  balão era um redondo não para mim mas que o tecido era lindo. Assim que disse que adorava o tecido, a minha mãe disse-me, sem pestenejar: "Então mas mudas o corte e utilizas o tecido!". Confesso, que também não demorei muito para lhe dizer que achava uma óptima ideia. A minha mãe tinha gosto que eu cassasse com o vestido dela, tive logo a certeza disso. 

Untitled-1.jpg

A escolha da costureira também nos pareceu logo muito simples. A pessoa que a minha mãe sempre escolheu. O meu vestido de noiva, teria que vir das mãos de fada da Rosinda que costurou para mim vestidos de menina das alianças, vestido da primeira comunhão, profissão de fé, baile de finalistas... e agora, por fim, o meu vestido de noiva! 

 

No entanto a dúvida impunha-se. Iria o tecido aguentar? Estaria em condições de receber um corte totalmente diferente do original? 

Faltavam 6 meses para o casamento e eu apressei-me em levá-lo à Rosinda, que depois de observá-lo atentamente me perguntou que corte é que eu gostaria. Confesso que tremi, afinal queria que ela me tivesse logo dito que sim, que o tecido aguentaria a transformação. Mostrei-lhe uma imagem que tinha visto no Pinterest e ela descansou-me imediatamente. Segundo ela, eu queria uma coisa simples, e garantiu-me que sabia onde levar o vestido da minha mãe para ser lavado e limpo, de forma a poder sofrer as alterações. 

E pronto, foi assim que em 5 minutos resolvemos tudo. 

20150906-187.jpg

Meses depois, mais precisamente no dia 8 de Agosto, a menos de um mês de casar a minha mãe lembrou-se de me perguntar quando é que eu ia fazer a segunda prova. Oi? Segunda prova? Eu ainda nem tinha tirado medidas. Corri para o telefone para telefonar à Rosinda, que com uma voz muito calma me disse que ainda íamos muito a tempo.

Além de ter tirado as medidas, fiz apenas mais 3 provas. Uma primeira para confirmar que era mesmo aquilo que queria, uma segunda para acertarmos a cauda e para apertar, a terceira e última apenas para apertar mais um bocadinho. 

 

O mais bonito de tudo, para mim, foi o facto de muitos convidados (mas sobretudo o meu pai ter reconhecido o vestido assim que me viram. Apesar do corte estar totalmente diferente, (afinal as mangas a balão não voltaram a estar na moda, e as costas abertas são moda do agora) o mais bonito do vestido é mesmo a organza tão bem trabalhada. 

Obrigada mãe! Quem sabe um dia, venhas a ter uma neta que me roube o meu vestido, como eu te roubei o teu. 

Untitled-2.jpg

O MEU OLÁ AO FIM DE SEMANA

15.06.18

DSC05406.jpg

Se há um dia na semana que eu gosto de sair cedo do trabalho é sexta feira. Deixar tranquilamente a cidade e rumar a paz e ao sossego da minha casa, no campo. 

Ainda que 90% das vezes o fim de semana seja também passado em Lisboa, o fim do dia de sexta feira é idealmente passado em casa. É em casa que consigo, como tantas vezes digo, mudar o chip. Desligar a corrente, respirar fundo e preparar-me para os dias de descanso. 

Há umas semanas atrás, a sexta feira acabou assim com uma tábua de queijos e enchidos, uns palitos de vegetais com guacamole e uma água detox. 

DSC05409.jpg

Tábua de queijos e enchidos 

Adoro compor um tábua de queijos e enchidos! Apesar de precisamos de muitos ingredientes, dá muito pouco trabalho e é uma óptima sugestão para ficar em cima da mesa para irmos picando ao longo da noite. Para além dos queijos e enchidos, uso sempre fruta, geralmente opto pelos maracujas ou pelas uvas. Depois remato com algumas tostas, compotas ou mel e, com um truque que aprendi recentemente, café! Experimentem passar um pedaço de queijo no mel ou na compota, e logo a seguir molhem, ligeiramente, no café. Parece estranho? A mim também me pareceu mas assim que provei soube que queria café em todas as tábuas.  

 

Palitos de vegetais com guacamole 

Pepino e cenouras aos palitos (para fugir a mais tostas) a acompanhar guacamole. O abacate está na moda e ainda que também eu goste da tal aclamada tosta de abacate com ovo, o guacamole continua a ser a minha forma preferencial de comer abacate. Nã há grande truques: Abacate esmigalhado com um grafo, cebola roxa miudinha (que nunca me lembro de comprar chalota), tomate maduro aos cubinhos, coentros picados e sumo de limão qb (ou lima, se não ficarem no supermercado com as chalotas). Mistura-se tudo e voilá. 

 

Água detox 

Hortelã, framboesas, umas gostas de limão e um pau de canela. Não demora 1 minuto a fazer, não tem corantes nem convervantes e fugimos da água simples. E esta é apenas uma das combinações que resultam. Pepino, limão e gengibre é outra, por exemplo. Normalmente a água detox é a primeira coisa que faço quando começo a cozinhar, e coloco-a imediatamente no frio, até servir tudo. 

DSC05395.jpg

DSC054162.jpgPara que a fórmula, de dar as boas vindas ao fim de semana fique perfeita, junta-se uma playlist, e claro, a máquina fotográfica para tirar estas fotografias e assim conseguir partilhar com vocês. 

E por aí, contem-me tudo: o ínicio de fim de semana também é passado em casa, ou gostam mais de começar logo em grande com a jantar fora e a terem mil planos para a noite? 

6 CURIOSIDADES SOBRE O NOSSO CASAMENTO

12.06.18

20150906-277.jpg

Nunca me vou cansar de dizer isto: gostava de repetir o dia nosso casamento todos os anos. Foi um dia essencialmente de festa, onde podemos comemorar, junto das pesssoas que nos são mais queridas, o nosso amor.

Além disso deu muito pouco trabalho a organizar e como estavámos os dois muito tranquilos e seguros, conseguimos aproveita-lo ao máximo. Foi tão tão bom! 

Para matar um bocadinho de saudades, relembro e partilho com voces, 6 curiosidades sobre este dia.

20150906-22.jpg

20150906-358.jpg

1. Os nossos votos

Apesar de termos ambos imensa fé e termos tido uma educação católica (somos os dois batizados, fizemos os dois a primeira comunhão, a profissão de fé), nem eu nem o João nos sentimos particularmente confortáveis com Igreja Catolica. Por este mesmo motivo, e para nos sentirmos congrueentes com aquilo que realmente sentimos, decidimos casar apenas pelo Civil. No entanto, e por sabermos que os casamentos só pelo civil têm, por norma, muito pouco de bonito e interessante, foi quase imediata a nossa ideia de fazermos uma cerimónia nossa. Depois da (chata) da conservadora ter lido o contrato de casamento e se ter posto a andar, eu e o João viramos as cadeiras de frente para todos os convidados e conduzimos nós o nosso casamento. Fazendo o que? Muito fácil, lendo os nossos votos, escritos no pequeno caderninho, onde estavam também as nossas alianças. Foi simples, muito sincero e francamente bonito. 

 

2. Os padrinhos de casamento

Tanto eu como o João somos completamente apaixonados pelos nossos irmãos, mas a verdade é que não há no mundo pessoas mais diferentes de nós que eles. Talvez por isso, eu tenha digo logo que não quando o João me sugeriu que escolhesse o meu irmão para meu padrinho de casamento. Talvez por isso o João nem tivesse percebido quando partilhei que achava bonito o irmão dele ser seu padrinho de casamento. Entre o: "estás maluca, que sentido é que faz o meu irmão Ricardo?"; "Maluco estás tu! Imagia o meu irmão a ouvir-me se algum dia discutirmos e eu precisar de alguém para desabafar!"; "Faz mais sentido o teu irmão do que o meu!"; "Eu não acho! Antes o teu irmão do que o meu!"; "Eu não me importava de ficar com o teu!"; "Eu com o teu também não me importava de ficar!". E pronto, foi isto. Trocamos de irmãos e ficamos com padrinhos de casamento.  

 

3. Buffet de Sopas

O servir a sopa em regime de buffet juntamente com os aperitivos, foi provavelmente uma das melhores decisões que tomamos relativamente ao catering do nosso casamento. Se a sopa de legumes é óptima para as crianças, para mim é só uma sopa chata para um casamento. Se eu adoro sopa de tomate com ovo, sei que as crianças iam só torcer o nariz e os pais ficavam sem alternativa. Se o João acha bem um sopa com gengibre ou queijo de cabra, também sabiamos que a opção ia ser tudo menos consensual entre os convidados. Com o buffet podemos ter as 4 sopas agradando a todos os convidados, e melhor ainda, prolongar o momento de aperitivos que foi super descontraido ao som de bossa nova. 

20150906-496.jpg

20150906-676.jpg

20150906-691.jpg

20150906-753.jpg

4. As raspadinhas

Não me lembro muito bem como surgiu esta ideia. Mas veio naturalmente na preocupação que tinhamos em tornar o casamento mais dinamico e divertido. Cada convidado tinha uma raspadinha e 50% tinham prémio. O que sorteamos? Tanta coisa. O direito a primeira fatia de bolo, a possibilidade de escolher uma música para dançarmos, uma tatuagem bem pirosa com os nossos nomes, todo um kit para pés cansaços (uns chinelos, um creme de pés...) ou todo um kit para resscasa (uma água das pedras, um gurosan...)... Enfim várias coisas, tudo aquilo que nos lembramos basicamente! 

 

5. As lembranças de casamento 

A oportunidade de ganhar o Euromilhões. Exactamente isso, um boletim para o euromilhões. Ao ínicio ninguém estava a perceber muito bem que era um aposta a valer, e que teriam que confirmar no próximo sorteio os 5 números e 2 estrelas. Mas depois acho que todos ficaram contentes por em vez de levarem mais uma compota ou charuto para casa, levarem a oportunidade de ficarem milionários. Não saiu o primeiro prémio (e malta, eu fiz 90 boletins do euromilhões!!), se bem me recordo no maximo sairam 2 números e uma estrela. Mas foi muito giro, uns dias depois, no dia do sorteiro termos todas as nossas pessoas a mandarem mensagens para partilharem a sua (pouca) sorte. Se eu e o João tivemos direito também a um euromilhões? Claro que sim. Um aposta muito especial, já que fiz questão de usar os números que o meu querido avô sempre jogava. 

 

6. A nossa primeira prenda de casamento - Mesa de matraquilhos

Foi uma decisão tomada mesmo em cima do acontecimento. Eu sempre adorei matraquilhos e uns dias antes, num jantar de uma amiga, divertimo-nos a valer num mini campeonato de matrecos. Eu sai vencedora e apressei-me a dizer que como prémio queria matraquilhos no nosso casamento. Depois de pesquisarmos, percebemos que a diferença monetária entre alugar ou comprar uma mesa era muito pouca, uns 70€, no máximo. Assim sendo, ficou muito fácil a nossa decisão, a mesa de matraquilhos passou não só a ser mais um investimento para o dia, mas sobre tudo a ser a nossa primeira prenda de casamento. 

 

Já percebem um bocadinho as minhas saudades deste dia? Ou ainda não estão convencidos e querem que eu vos fale do meu vestido de noiva? 

Pág. 1/2